Quem me procura?

28/07/2017
Quem me procura?

Na minha prática profissional, têm sido inúmeras as pessoas que me procuram por variadas razões, desde ansiedade generalizada, comportamentos reactivos e repetitivos que provocam constrangimentos nos relacionamentos (pessoais e profissionais), situações clínicas mais e menos graves com sintomatologia distintas associadas, perturbações do sono, depressão, dores crónicas, controlo de peso e imensas outras pessoas que chegam no limite da sua dor emocional, mental e até física.


Algumas vêm com esperança que lhes resolva os seus problemas ; outras porque já tentaram outras vias e mecanismos e este é o final de linha; outros porque sentem uma forte ligação comigo e de algum modo sentem o impulso para procurar as suas próprias soluções (tornando a acreditar em si mesmas); muitos procuram/querem resultados imediatos apenas com uma, duas ou até três sessões pois já frequentaram muitos cursos, formações e já são portadores de grandes conhecimentos (dizem aceitar tudo, no entanto ficam revoltados por a mudança não ocorrer no exterior tal como era suposto acontecer, pois fazem tanto e nada resulta!!!!!); outros chegam fugindo de si próprios e simultaneamente tentando (re)encontrar-se; enfim…cada caso é uma diferente história…


O que acontece:

Tudo pode acontecer, dependente da intenção de cada um, da responsabilidade que assumem das suas vidas (e não dos outros), da persistência em trabalhar na sua própria mudança, sentindo-se cada vez melhores sob todos os aspetos das suas vidas.  Assim, uns deixam o processo a meio (arranjando desculpas várias, nem interessa quais, pois são tantas – onde existe sempre um culpado (o próprio terapeuta que garantiu resultados, a falta de dinheiro, outras prioridades, etc.); algumas porque querem obter resultados únicos e definitivos apenas com um ou dois passos (pode até ser três…) desde que haja mudança nas suas vidas, acabando por continuar a procurar o/os profissionais que lhes possam oferecer algo extraordinário (não têm noção que se desresponsabilizam e colocam a responsabilidade quase estritamente no profissional, pois não querem de todo mudar); outros porque se sentem tão entusiasmados e motivados (na primeira ou segunda sessão) que querem que tudo seja fácil e quando surge uma resistência externa ficam desapontados e deixam de saber o que afinal diziam querer (mas antes tinham quase a certeza, porque acreditam que tudo tem uma explicação racional ou estritamente intuitiva (desenraizados do Aqui e Agora e dispersos em si mesmos) e claro desistem (até dizem ficar mais confusos mas ficam a matutar), outros ainda que não querem trabalhar a suas partes mais sombrias …


…E cada vez mais são aqueles que chegam até mim, entregam-se ao seu próprio resgate e terminam esta fase de acompanhamento e orientação terapêutica. Começam a caminhar com mais confiança, determinação, empenho, foco em si mesmos e no que os move, acreditando nas suas capacidades e ativando os seus recursos internos a cada passo que dão, alterando constantemente a perceção de si e dos outros, valorizando toda a sua aprendizagem e procurando o seu equilíbrio. Abraçam e sentem as possibilidades como infinitas, libertam-se, não dependem dos outros e sim de si mesmos para se sentirem amados e em segurança. Avançam, calculando riscos, mas arriscam e agem cada vez mais alinhados com o que verdadeiramente são.

Eterna gratidão a todos os que se cruzam comigo, individualmente, em grupos de formação e virtualmente (redes sociais). É um privilégio continuar a aprender, desfrutar e transmitir o valor da vida através da ajuda a todos os que querem ser orientados numa mudança profunda de si mesmos, sentido-se cada vez mais e mais plenos.